O Programa Revive lançou a 4 de Fevereiro, o concurso público para a concessão do Quartel da Graça, em Lisboa.  O investimento ronda os 29,7 milhões de Euros, no sentido de criar um hotel de cinco estrelas. Diversos grupos hoteleiros estão na corrida.

O Programa Revive, um programa conjunto dos Ministérios da Economia, Cultura e Finanças com a colaboração das autarquias locais, no qual o Quartel da Graça está inscrito juntamente com outros 32 imóveis.

O Revive tem por objetivo, a reabilitação de património incumbindo-o de uma atividade económica de cariz turístico, de forma a produzir riqueza e postos de trabalho. Cabe-lhe igualmente a promoção de destinos regionais a nível nacional, reforçando a sua atratividade, bem como a desconcentração da procura, a fim de desenvolver diferentes regiões do país.

O projeto para o Quartel da Graça, antigo convento da Graça classificado como Monumento Nacional desde 1910, prevê uma concessão por um período de 50 anos para a instalação do hotel. O valor base para a renda anual indicado no concurso é de 332.604 Euros, numa área de construção total de 15.495 m2.

O Grupo PortoBay é um dos muitos concorrentes, que aguarda pelo resultado do Revive para o Quartel da Graça, ao qual se candidatou. O CEO da cadeia hoteleira admite que vai continuar a dar atenção a outras oportunidades que surjam neste programa, mas neste momento reserva um particular interesse no projeto da Graça por se tratar de um imóvel histórico e lindíssimo. Acrescenta ainda que existem outros investimentos em curso neste momento, com projetos de requalificação das unidades hoteleiras existentes.

Como era esperado, a concorrência é muito forte, e o Grupo Vila Galé foi outro dos grupos hoteleiros que confirmou a sua candidatura a este concurso, inclusive a cadeia já tinha ganho alguns concursos do Revive no passado.

Pedro Siza Vieira, Ministro da Economia, já adiantou que o Governo está concentrado na internacionalização do Revive, cujo programa encontra-se aberto ao investimento privado para desenvolver projetos turísticos, através da realização de concursos públicos.

Consequentemente, Portugal já assinou em Março passado, em Lisboa, o primeiro acordo internacional do Programa Revive com São Tomé e Príncipe, para dar apoio na recuperação de edifícios históricos do país africano.