490 casas, é a média de casas vendidas por dia em 2018, totalizando 178.691 imóveis no final do ano. No topo da lista dos compradores estão os portugueses, ao representar 62,37% das aquisições. Igualmente em alta está o segmento de luxo.

A agência imobiliária com mais vendas de imóveis de luxo em Portugal (a Remax Collection), fechou o ano de 2018 com um total de volume de preços a rondar os 820 milhões de Euros. Isto corresponde a um aumento de volume de negócios de 30,2%, face a 2017, em que foram transacionados 3.389 imóveis em 2018, mais 43,1% que no ano anterior.

A mesma agência revela que os apartamentos continuam a ser o tipo de imóvel mais procurado pelos investidores, ao refletir 76% do volume de transações, o equivalente a 63,6% do total de volume de negócio. As tipologias T2 e T3 foram essencialmente as mais procuradas, ao agregar um total de 62% imóveis movimentados, mais 5% em comparação a 2017.

Por outro lado, no campo das moradias observou-se um aumento na procura acima de 1%, sobretudo de propriedades de tipologia V5. Em 2017, as moradias representaram cerca de 17,1% do volume de transações da imobiliária e 21,9% do volume de negócios total.

Segmento de luxo alvo de interesse

De acordo com os dados de vendas da empresa, os Portugueses representaram a maioria dos compradores com 62,37%, seguindo logo atrás os cidadãos brasileiros e franceses, com 8,67% e 6,77% respetivamente. Vale a pena realçar ainda, o aparecimento de clientes Espanhóis e Belgas no top 5 de volume de negócios, que investiram em poucas aquisições, contudo de valor elevado.

O CEO da conhecida mediadora, salienta que 2018 foi um excelente ano, no qual se verificou um crescimento sustentado do segmento de luxo no país. Os imóveis de categoria elevada representaram 2,3% dos imóveis gerais e os Portugueses surgem como os principais compradores neste segmento. Frisa ainda que, os ativos imobiliários continuam a ser considerados um investimento seguro em detrimento dos produtos financeiros.

Embora o mercado de luxo tenha tido mais destaque no distrito de Lisboa, e mais concretamente nos concelhos de Oeiras e Cascais, a tendência tem vindo a implementar-se em quase todo o país desde 2018, ganhando uma dimensão verdadeiramente nacional. Sem surpresas, Lisboa, Porto, Setúbal e Faro continuam a ser os distritos que despertam mais o interesse dos investidores nacionais e internacionais.