O ano 2018 em Portugal foi marcado pela galopante subida de preços das habitações e pelo volume recordista de investimentos e transações no mercado imobiliário. De acordo com as previsões dos especialistas, a tendência vai manter-se em 2019, mas de forma moderada. Muito por culpa do surgimento de novas construções, os preços devem não só estabilizar, como descer.

Depois da constante euforia sentida nos últimos meses do ano passado, com o índice de preços das casas em Portugal a registar uma subida de 6,6%, os profissionais do setor antecipam finalmente estabilidade. Esta mudança tão desejada, terá o seu impacto a partir do segundo semestre e a fazer-se sentir sobretudo no mercado das casas usadas da periferia, uma vez que está em processamento uma série de projetos para construção nova.

O CEO da Century 21 por exemplo, admite um cenário de mudança para este ano e reconhece os preços especulativos e quase irracionais, cometidos excessivamente no último ano. Este comportamento deve-se à um otimismo demasiado exagerado por parte dos proprietários, orientados pela crença de conseguir vender os seus imóveis a qualquer preço elevado. Mas acrescenta que o mercado está preparado agora para equilibrar-se, pois os proprietários também já estão mais disponíveis para baixar o valor das suas casas, porque o tempo de venda tem vindo a aumentar.

O Presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), partilha da mesma opinião, pois acredita igualmente para breve, num quadro de redução de preços. Este defende que os preços das casas não podem subir até ao infinito. Por conseguinte, é natural que se comecem a verificar correções no valor dos imóveis, pois os preços só podem aumentar até onde seja justificável, e até onde haja procura para dar resposta a essa mesma oferta.